segunda-feira, 8 de julho de 2013

E agora?

Foi neste maio que transitou em julgado a sentença proferida pela Relação de Évora ditada sobre os recursos interpostos sobre a decisão do Tribunal de Abrantes. Recordemos que estava em causa a anulação de três pontos da Assembleia Geral realizada  a 15.01.2011
1- Demissão do associado nº1
2 - Alteração aos estatutos
3 - Eleições para o biénio 2011/2012.

A conclusão definitiva foi a seguinte:
- Foi anulada a minha demissão e foram anuladas as eleições do biénio 2011/2012.
Consulta direta aqui -  acórdão. E servirá, pelo que se entende, para orientações futuras em casos idênticos.

É a 2ªsentença que comprova as ilegalidades no funcionamento da associação. Várias são ainda as situações que estão em análise em instâncias que não os tribunais. Veja-se por exemplo a reclamação apresentada em relação ao último ato eleitoral (26.01.2013).

Continuo a dizer que à custa dos erros das mesmas pessoas que se vão repetindo nos órgãos da associação e às conveniências e protecionismos em que redundamente se incorre, se vai diminuindo e prejudicando a associação e os cidadãos e, certamente, a democracia. É pois demagógico dizer que tudo é válido à custa das crianças, dos jovens e dos desempregados.

Continua sistematicamente a provar-se que é a minha razão, conhecimento e interesse na defesa do verdadeiro associativismo que estão certos. São também cada vez mais as pessoas e associados  que isso reconhecem.  Errados continuam, portanto, aqueles que se acham senhores de uma IPSS e programadores de promessas de festas, de viagens e de emprego mas também do controlismo, exclusão e eliminação de muitos associados assim como da negação de informação e impedimento ao  acesso em relação ao que se passa na gestão e uso dos dinheiros públicos.

É com mágoa e sem clamar vitória que digo isto. Sobretudo com tristeza por saber que aqueles que levei para a associação que fiz por nascer se continuam a servir e me continuam a ofender e, como se comprova em tribunal, ao próprio associativismo.

A palavra cabe AGORA a quem - pessoas e entidades públicas - tem permitido que todas essas situações se mantenham há anos. Caso assim não seja desgraça o crédito do Estado Social, dado tratar-se de uma IPSS do concelho de Constância fortemente financiada pelo Estado, ou seja, pelo dinheiro que a todos nós pertence.  Caso assim não seja o prejuízo continuará a aumentar, para quem vier a seguir (há sempre alguém que vem depois!). Mas, nada que me surpreenda na inconstância deste concelho e deste país!

Sem comentários:

Natália é... quando um Homem quiser

Bastam-me as cinco pontas de uma estrela
E a cor dum navio em movimento
E como ave, ficar parada a vê-la
E como flor, qualquer odor no vento.

Basta-me a lua ter aqui deixado
Um luminoso fio de cabelo
Para levar o céu todo enrolado
Na discreta ambição do meu novelo.

Só há espigas a crescer comigo
Numa seara para passear a pé
Esta distância achada pelo trigo
Que me dá só o pão daquilo que é.

Deixem ao dia a cama de um domingo
Para deitar um lírio que lhe sobre.
E a tarde cor-de-rosa de um flamingo
Seja o tecto da casa que me cobre

Baste o que o tempo traz na sua anilha
Como uma rosa traz Abril no seio.
E que o mar dê o fruto duma ilha
Onde o Amor por fim tenha recreio.


Poema destinado a haver domingo
Natália Correia
Poesia Completa (1999)
Publicações Dom Quixote